Sunday, December 17, 2006

LAVAR A ROUPA AO RIO


"...Em pleno Verão, no meses de Julho e Agosto, quando a obra parecia completa, suspeitava-se que uma porção considerável daquele espaço serviria para festas, concertos e outras boas razões para se juntar a população de uma cidade em peso. Fazia lembrar (ainda agora, e com mais razões para este tipo de lembranças porque é Inverno) uma praça da velha URRS.
À beira da nova fonte, lá para cima, na Praça General Humberto Delgado, onde no Verão ainda não se percebia se a intervenção “era só aquilo”, o espaço mantinha-se igualmente amplo. De facto criou-se ali um espaço vazio, não preenchido, gigante.

Com a passagem dos meses a minha suspeita confirmou-se. As requalificadas Praça da Liberdade e Av. dos Aliados converteram-se numa espécie de Feira ou Salão de exposições (os conselheiros de imagem preferiram usar a expressão “sala de visitas”). Penso que as funções atribuídas àquele espaço estavam previstas desde o início pelos dois arquitectos responsáveis, no entanto, e esta parece-me ser a questão, serão estas as funções esperadas por todos para espaço e serão estas funções compatíveis com as necessidades dos cidadãos que por ali passam e que ficam? Ou seja, a função de uma Praça Municipal?

Neste momento não existe ali um sítio onde se possa sentar e conviver. Existem cadeiras e mesas atadas com um “cordel” (serra-cabos) que, para além de serem feias e descaracterizadas, são bastante desconfortáveis. Futuramente existirão ali esplanadas de comerciantes privados. Desconheço detalhes sobre o tipo de contractos que serão firmados, mas será certamente a concretização de mais uma brilhante ideia no caminho da privatização do espaço público (e, por conseguinte, da rentabilização deste) e mais um afastamento das necessidades do cidadão comum que não passam somente pelo consumo de bens ou serviços.

E já agora, vale a pena pensar nas seguintes experiências que ocorrem durante as estações do ano mais dificeis a quem por lá se movimenta ao seguir o caminho longitudinal e/ou transversal: no verão o nosso granito, material tão característico na construção da cidade do Porto, reflecte e fere os olhos, no Inverno não há nenhum obstáculo a atenuar o vento e frio.

No meio de um certo azedume e de muitas reservas em relação a esta “novidade”, conforta-me ver quem se arrisca a pisar a “linha” traçada pelos arquitectos. O alvo principal tem sido a fonte – também lhe chamam “tanque”, “poça” ou “pocinha”, “bebedoro”, e outros nomes que não me recordo – e é curioso o modo como se vai recriando a função daquela “peça” de arquitectura. No verão os miúdos entraram dentro da água e fizeram da fonte uma piscina Municipal. O mais surreal foi assistir às primeiras aulas de natação de uma miúda ainda suportada por braçadeiras!
Parecem os mesmos miúdos que andavam pela praça D. João I e pela Batalha a banharem-se nas águas quentes. São outros, mas com o mesmo espírito e com a mesma intenção, a de habitar livremente o espaço.

&&&&&

No outro dia, quando ainda estudava a fonte e a minha resposta a este projecto, deparei-me com um cartaz em tecido da Rivolição dentro da água e isto levou-me à seguinte questão: que espaço terá RR deixado para a Cultura? Para aquilo que quando acontece nos deixa perplexos, que nos custa a digerir de imediato, que nos faz pensar e sentir de modo diferente, que nos toca e comove sem termos explicações que justifiquem, que nunca nos deixa indiferentes, que nunca nos deixa iguais ao que eramos quando chegamos?

É caso para perguntar: “O que se passa consigo RR, acha bem que o público não assista a bons espectáculos?”

Os nossos impostos seriam bem empregues se o público fosse sensível à programação de espectáculos com qualidade. Aliás, por comodidade, por questões pessoais de limitação cultural, o RR direcciona-se no sentido do nivelamento cultural, ou seja, alimenta o povo pelo nível mais baixo estando, aparentemente a ser sensível às suas exigências mais básicas de folia!!!
Este sentido é negativo e significa um enorme retrocesso em tudo aquilo que esta cidade conseguiu conquistar nos último tempos pós 2001.

&&&&&

Por esta razão pretendi lavar a minha roupa suja no tanque do RR e seguir o mesmo impulso que os protagonistas dos meus exemplos (acima referidos) seguiram, usar livremente este espaço público tendo no entanto segura uma intenção, a de poder estar também a comentar as medidas tomadas por RR. Recorri a alguns momentos importantes vividos na minha infância para alicerçar a minha acção: as idas ao rio ou ribeiro lavar a roupa (mais tarde ao tanque Municipal) e os infindáveis momentos de conversa entre mulheres que expunham ali a sua vida privada. Sei que hoje ainda existem os tanques Municipais onde muitas mulheres se reunem para lavar e conversar.

Aproveitei a falta da máquina de lavar roupa em casa e a vontade de lhe querer dizer algumas “verdades” para me meter na água gelada, debaixo de chuva e granizo, e lavar algumas peças de vestuário.

Gostaria muito que o Arquitecto Siza soubesse, um dia destes, que me deu muito jeito fazer uso do tanque que ele concebeu seguindo o modelo parisiense dos Campos Elísios, para efectuar a tal lavagem e que estou a pensar em dar lá um mergulho no Verão com a rapariga das braçadeiras. Não por gostar da sua intervenção, mas porque está mesmo ali a precisar de um empurrão para ser usada. No meio disto, gostaria que ele fosse também informado (mas não para lhe endereçar culpas) que já não há nada no Rivoli que valha a pena ver, que vai para lá agora o La Féria.

Venham mais espectáculos com público, viva o S.João e o Euro!..."

11 comments:

o meu planeta terá bons espaços públicos said...

mt bem! vamos todos ao banho!

o meu planeta terá bons espaços públicos said...

o siza tb anda a fazer asneiras do berço. será k estes presidentes não conhecem mais arquitectos?! todos os projectos são entreges a esse senhor! isto daki a pouco vira a sizolandia

o meu planeta terá bons espaços públicos said...

no berço

wonderwoman said...

A Sizofonia é uma doença grave, que tem afectado algumas cabeças camarárias de diversas latitudes nacionais.
Do meu ponto de vista, o mais grave de tudo isto não é que todos os projectos sejam do Siza - é que no geral, os projectos do Siza (e do Souto Moura) de espaço público não são bons. Pior: que o suposto arquitecto de esquerda faça projectos exclusivos (do ponto de vista social), e não inclusivos, isso sim é grave.
Por ser um mau projecto do S&M* e porque acreditamos em ti, estamos lá.


*Siza&Moura, não Sado&Maso. Mas quase.

vanessa paradis said...

De acordo! Por isso sugiro até que quem vá ao banho prepare o seu discurso individual, podendo estar em sintonia com os outros ou não, mas tendo uma base em comum.
And that is: o descontentamento face ao que o RR anda a fazer à cidade (ou às cidades, com todo o respeito pelo senhor do planeta e pelo seu estimado berço).
Até porque é isto que as lavadeiras fazem: vai cada uma com a sua bacia falar do seu assunto e partilha-lo...mas os assuntos de cada uma são os de todas com pequenas variantes!

Por exemplo: estou-te lixando para a calçada portuguesa, acho que o nosso presente não deve ficar âncorado no passado e até gostaria desta sizice (MM) se fosse pensada para as PESSOAS habitarem!

É ver as soluções vergonhosas que o RR tem que arranjar para sentar os velhinhos! Agora colocou lá uns bancos de jardim velhos em posição de autocarro!
Os S&M ou deixaram o trabalho por concluir ou esqueceram-se que anda por ali gente!

wonderwoman said...

eu por acaso tenho pena da calçada portuguesa, por uma questão de identidade local vs descaracterização total.
mas também não defendo que aquilo antes fosse perfeito -- agora é burguês pós moderno para turista ver.

vanessa paradis said...

bom, eu não estou "lixando-te" (enganei-me, ai ai), mas pouco me importa que a claçada vá parar um museu. Ainda temos os postais com o que há de mais pitoresco e a estação de S. Bento que é um mimo! E a praça também precisava de uma lavagem, mas talvez não aquela...definitivamente nada daquilo!

wonderwoman said...

eu percebi que o lixando-te era um typo, don't worry. e a calçada vai para um museu??!! isso acho absurdo, calçada é para pisar, não para as vitrines.

vanessa paradis said...

...pois não sei se vai mesmo, mas suspeito. É uma suspeita tipo La Féria.

Mas wonderwoman, diga-me, e os vasos de ceramica, os pentes, os ganchos, as lanças, os machados, os escudos, ..., não eram para usar? Eram...e depois estéticizamos tudo e colocamos na vitrine.

wonderwoman said...

mas a wonderwoman usa escudo!!! ou era o capitão américa?
hmmm... mas chicote sim! tchá tchá!

o gonçalves said...

eu creio que se ouve uma confusão no pedido do projecto e o que acavou por saír não foi uma praça mas antes uma parada, onde se irão realizar formaturas militares de grande relevo para nos mostrarem o quento estamos fortes e com grande vitalidade. praças para quê. bancos para os velhinhos isso é de fracos. quanto ao tanque , não é tanque mas antes local de demonstração dos fuzileiros navais.
assim temos de esquecer a praça.
e pensar neste espetáculo que ali se pode montar.