Saturday, June 28, 2008

NÃO HÁ TALENTOS DESPERCDIÇADOS...


Partiu-se o theremin e o lucro sobrante foi para comprar uma chave inglesa. A economia é complicada e ninguém lhe sabe como pegar - a do artista é bem pior e neste momento é o assunto dominante (é bom sinal!). O mealheiro era para ser distribuído por todos. E antes disso para o aluguer do material de som. Mas a generosidade mais uma vez permitiu ultrapassar este obstáculo. As outras recompensas, bem mais importantes, afectivas e tal, têm o seu espaço, mas não há umas sem as outras, porque de outra maneira não se pensa - se ainda há necessidades para comprar o bilhete de metro. O que foi conseguido foi pouco (mas alguém pagou entrada?) mas acabou por ser bem atribuído. Receio bem que o theremin tenha uma reparação cara e para muita pena minha (e vergonha porque o meu acto com a Sílvia não aconteceu) não chegou a ser usado. Voltando á economia, aprende-se economia quando menos se espera, por exemplo na “neveiros” a comer gelados. O artista tem que ser pago – é o que me ocorre.

As participações espontâneas preencheram a noite de ontem com mais brilho do que era esperado. Não faltaram os policias para fetichistas que acham que isto tem mais piada se der bronca - para os das fardas, também ficaram bem servidos. A festa continuou com o Fox Trot e não se perdeu nada deste festival porque o Alberto da casa em frente foi igualmente generoso e sincero e ajudou-nos a fazer mudanças. O Solo Combo ainda tem cds à venda que valem mesmo a pena. O aluno Erasmus foi a casa buscar o material com o qual andou abraçado toda a noite – será que voltará para o próximo festival, foi o que ele prometeu fazer. Vou ao concerto dos Calhau esta noite porque o cordão umbilical não deixa de crescer e eu tenho muita vontade de alimentá-lo.

3 comments:

Anonymous said...

as mamas brilharam! grande performance!

testemunha sincera said...

bem te vi
emcostada ao carro da policia
a sorrir
(
como quem diz
"daqui nnao sais"
)

Anonymous said...

com um
n
arrastado
"nnnnnnnnnnao sais!"