Sunday, September 23, 2007



Episódio 20
Este fim-de-semana estive mesmo fora. OUT! (e o monologo off!)
Ainda não vi as exposições da Rua Miguel Bombarda, mas ouvi dizer que havia novidades... acho que havia muita animação de rua e mais umas tralhas a acontecer patrocinadas por um whisky famous (topas?)!
Mesmo fora da cidade por 3 dias, estou com um mau humor que só no monte me encontrava bem. E ainda assim era capaz de manda um chuto a uma ovelha. Quando passar por lá digo-te qualquer coisa. Tenho que ir apanhar os “georges de leningrade”, o cd que ainda não tenho, e perguntar pelas novidades ao João!

Episódio 21
No próximo fim de semana são dias de rock!
- SMS: “Faz uma boa viagem de regresso. Ca te espero po rock”.
Descobri que existe uma banda de um género que é “casio punk”, a ideia é boa – trocadilho com casio e casi – mas o punk é mau!

Episódio 22
- Ele era uma pessoa tão doce que provocava cáries!
Não sei bem o que isto quer dizer, mas é um elogio!

Episódio 23
- Porque é que eu te contei tantas histórias macabras! Toda a gente morria no final ou então... – esta é a melhor: fui falar com uma jovem de uma imobiliária que me marcou um encontro com três senhorios, o terceiro desmarcou porque tinha tido um acidente...eu perguntei o tipo de acidente e ela disse-me “que estranho que é, mas a verdade é que espetou uma esferográfica no olho!”- ficava sem alugar a casa!

Episódio 24
A tatuagem está retocada. Sabes que as tatuagens não só falam como também...bom, saltam! ”O homem ilustrado” (do Ray Bradbury) assusta-me! Lês bem e sabe muitíssimo melhor, porque são histórias curtas, mas a mim provoca-me muita ansiedade! Perguntaram-me finalmente o que significa a tatuagem. Claro que não se pode escapar a esta pergunta (pois, sexta o Félix Kubin foi a Braga, se algum dos meus amigos foi e não me disse vou ficar mesmo chateada!), mas a verdade é que não me vou explicar.
A primeira ideia era fugir a um furo infectado e à triste condição de ser alérgica a metal e por isso simular furos e brincos, mas sim, há mais. Que importa!

Episódio 25
O Noddy é português? Preciso de confirmar.

Episódio 26
Este episodio devia vir logo no início. Na ida ia perder o avião e as miúdas da Ryanair foram muito ariscas e disseram-me que por ter perdido o check in (ok, estive a tomar café e distraí-me) teria que pedir uma autorização. Eu só lhes dizia que tinha mesmo que apanhar aquele avião porque só tinha o fim-de-semana e elas estavam mesmo a ameaçar-me que ia ficar cá e esperar pelo dia seguinte. Quando chegou a confirmação que podia ir, entrei em pânico e fiquei na dúvida se perguntava ou não e lá disse, “acha que é melhor tirar os tacões para chegar mais rápido à porta de embarque?”. Bolas isto é normal!! Mas elas riram-se imenso e dei-me conta que de certeza que estavam a fazer fita porque ainda sobrava imenso tempo para a partida!
De qualquer maneira, que susto. Lá voamos, batemos palmas (a-d-o-r-o, o bater de palmas! lembra-me a certa tendencia e lembra-me muitas coisas boas...quando as pessoas batem palmas riem-se sempre e mexem-se de tal maneira que parece que têm espasmos) e muito estava frio!

Episódio 27
O artista das bolas de neve...tenho que encontrá-lo. Esqueci-me do nome e quero-me lembrar. Não é o CM. Esse eu lembrava-me logo! Era outro, mais cortante e mais absurdo.

Episódio 28
...afinal a fada era bonita e dava luz.

Episódio 29
Uma vez ia dizer um disparate por causa dos Leões (signo) e a meio, parei e disse “Os Leões...são famintos!”. Uma banalidade (o que eu ia dizer, mas que não me lembro) trocada por um dado objectivo. Escapei-me bem.
Os Leões ficam umas horas a chutar uma lata de cerveja vazia a ver se bate num copo de plástico e a ver se este cai! (tipo vídeo da parelha Fischli & Weiss). E eu não sei o que vejo nos Leões, mas estou sempre a cruzar-me com eles. O melhor é o de OZ, mas são todos famintos.

2 comments:

vanessa paradis said...

Não foi de propósito, mas a primeira história do livro do RB é sobre uma selva com leões famintos!

olongomo said...

Episódio 20
-O Whisky para mim é um problema. Tenho vinte e sete anos e ainda não aprendi a gostar de whisky. Sim, digo aprender a gostar porque é mesmo necessário um processo de iniciação. Eu gosto de whisky... acho é que não gosto de beber. Gosto do paladar, do cheiro e da cor mas custa-me ser arranhado por um escocês. Acho que gosto mais de vento frio do que whisky. (Normalmente estrago-o numa mousse de chocolate.)
Hoje vi umas fotografias do Noroeste inglês e pensei “o que é que eu estou a fazer aqui!” Não consigo ver fotografias de montes sem ter vontade de os percorrer. São as serras a chamarem por mim (um amigo escreveu-me a dizer que planeia ir viver 18 meses para os Açores). Depois ao folhear uma revista percebi que vai o Glen Branca vai dar um concerto com 100 guitarras em Londres, no dia 12 de Outubro. “Não posso perder!” São as cidades a chamarem por mim. Foi o João que me deu a conhecer o G. Branca. Aliás foi o João que me deu a conhecer quase toda a música que ouço. Dá-lhe um abraço se passares por lá... e depois conta-me que tal está a exposição daquele artista que curte caveiras e dados!

Episódio 21
-O que mais há são bandas más! Só valem se quiserem afirmar-se no contexto da arte contemporânea e cagarem para o universo da música... Bandas ARTY é que são fixes!!! Eh! Eh!

Episódio 22
- O pior é se o dentista te proíbe de falar com ele... que fixação pelo açúcar!

Episódio 23
- Mais estranho do que espetar uma esferográfica no olho e igaualmente violento é saber que o Haneke refez o Funny Games com um actor que já fez de Cobain. Ví o trailer no blog do 1% e passei-me... a música está tão presente e o ritmo faz com que o filme se cole mais à mecanica da laranja. Não sei o que pensar...
Com tantos filmes por fazer... o gajo anda a refazer. Um flme não é um desenho!!!

Episódio 24
- Ainda me custa acreditar que a tenhas feito. Tu disseste que não querias viver agarrada a uma imagem... Que importa! ... e quanto ao Kubin... ele estásempre a passear por Potugal. Passa por lá/cá/aí várias vezes por ano.

Episódio 25
-Eu acho que o Noddy cheira a móvel do Ikea e isso leva-me a concluir que não é Português. Quer dizer... à uma fábrica Ikea em Paços de Ferreira. “E esta, hein?!” Será que o Noddy é de Paços de Ferreira?

Episódio 26
-Sabes que a primeira coisa que faço quando chego ao aeroporto é fazer o check in e só depois é que vou tomar café. É uma questão de prioridade... Mas acho que um dia destes perco o check in só para fazer a mesma pergunta às miúdas ariscas do balcão do check in. “Acha que é melhor tirar os tacões para chegar mais rápido à porta de embarque?”. Não posso é fazer check in electrónico... a máquina não perceberia ma questão que não estivesse nas FAQ. Também tenho o sonho de correr no aeroporto com um grupo de pessoas... uma cena à cinema! Claro que me estou a lembrar do Sozinho em Casa! Acho que a coisa mais atrevida que fiz num aeroporto foi brincar com os carrinhos das bagagens e sentar-me no tapete das malas.... yupi!!! Foi tão fixe que até tive que bater palmas.

Episódio 27
-É bom que encontres esse artista depressa. Eu gosto de aristas cortantes e absurdos. O que é que é um artista cortante e absurdo? Vais ter que desenvolver este episódio. Parece que hoje levas T.P.C.

Episódio 28
-Hoje estou tão cansado que a nem consigo pensar em fadas bonitas a darem á luz. Chegar à conclusão que o Noddy é de Paços de Ferreira já foi um grande feito.

Episódio 29
-Eu tenho alguns amigos que fazem jogos desses: num restaurante qualquer, fazer entrar o caroço de azeitona no gargalo de uma garrafa de vinho vazia que se encontra no centro da mesa. Depois de todos acertarem devem tentar de olhos fechado e com bolinhas de miolo de pão. Tudo isto acontece enquanto outros elementos da mesa passam o dedo à volta do copo em busca de assobios e outros enchem a toalha de papel com desenhos. Eles fazem estes jogos mas não sei de que signo são... um é balança... o outro faz anos no inicio de Junho.
Eu não ligo muito aos signos...não logo muito ou nada. Lembro-me que uma vez uma rapariga de Lisboa insistia”De que signo és? Vá lá, diz! É mau... deves ser escorpião!” “Não sou banana!” respondi... “Ohhh! Que parvo!” disse ela. Também já usei várias vezes a piada “Os aquários metem àgua” quando me pedem para descrever o meu signo.