Friday, October 19, 2007


Na noite de sexta-feira a cidade estava morna.

As leituras começaram pelas 23h enquanto ainda pingavam amigos. Os meus dedos em prata, os múltiplos anunciados da série C, estavam prontos e tão imperfeitos quanto eu desejava: as unhas partidas, as impressões digitais desbotadas e marcas de rugas que não existem na realidade. A Estefânia dedicou-se seriamente a fazer correcções, mas desde o início que eu estava feliz com o resultado. A Inês, a actriz que fez as leituras, acompanhada pelo Luís, vai receber um anel da Estefânia como forma de pagamento, deste modo consigo que um círculo de colaboração entre diferentes áreas se configure! Eu servi bebidas com algum mau jeito e ia-me sentando de vez em quando, depois de todos servidos e entretidos, a ouvir as crónicas.
Muito cedo encerramos a sessão e arrumamos o espaço, combinamos encontro no PÁSSAROS (“Passarinhos” da A.N., esta aproximação correu bem dada a temática da noite), porque estavam lá os CRÓNICA (numa noite de leituras de crónicas!) e o Olaio. Ainda não tenho distância para avaliar o lançamento, mas o comentário de todos foi muito positivo. A minha ansiedade, já bem conhecida, fez-me pensar que a noite estava, de facto, muito morna.

Chegamos ao PÁSSAROS e consegui enfiar-me dentro da sala e ouvir o Olaio. Apanhei uma música, sobre Poesia (isto condicionou-me o fim de semana, mas já lá vamos), e ele estava igual e surreal como há 12 anos quando o vi pela primeira vez na Faculdade. Reparei então, que ali também, a noite estava morna. De seguida começou a sessão CRÓNICA. Foi pump. Confuso para quem quer dançar, mas muito bom para ouvir e bater o pé. O David achou o mesmo e a Ana ainda conseguiu encontrar a pose e o ritmo. Na pista, uma rapariga, bailarina certamente, tornou o momento irritante, roubou-nos o protagonismo e todo o brilho de palhaças e animadoras da pista. Ali também, não havia forma de ficar quente, nem frio.

Convenceram-me a ir a Lisboa, a deixar todos os planos para Sábado, onde se incluía o lançamento do Carlitos, a publicação da Lígia e do Marco, para assistir a uma Masterclass de um dos ROMA, o RO. Ressaca, no topo de outra ressaca, nenhuma de álcool ou outras substâncias, deitei-me para acordar horas depois. Pequeno almoço obrigatório no terraço dos meus pais para o lado de Custóias, de seguida uma viagem no banco de trás, com o laço do cinto de segurança e a escorrer baba pelo queixo – dormi duas horas.

A noite e a cidade de sexta, acabou na de Sábado por mais morno que tenha sido, foi muito agradável. A Ana e o David regressaram a Falmouth; ainda penso na letra e na performance do Olaio (quem me dera estar tão à vontade no palco!); comprei dois livros de poesia por causa daquela última música (eu não gosto de poesia); gosto mais dos CRÓNICA que antes (para além de serem mais animados, ganharam em qualidade, e eu consigo provar o que estou a dizer); vou amanhã comprar o anel para a Inês e tentar conhecê-la melhor; vou pedir à Estefânia um “alter” dos dela para usar como brinco e vou ligar à Lili para ver o Carlitos.

1 comment:

L said...

o carlitos adora sopinha de abóbora!